Comissão Pastoral da Terra Nordeste II

  • 2.jpg
  • 9.jpg
  • 4.jpg
  • 6.jpg
  • 5.jpg
  • 8.jpg
  • 7.jpg
  • 10.jpg
  • 3.jpg
  • 1.jpg
Às 16h30 de hoje, o Presidente do Tribunal de Justiça do Estado de Pernambuco, Fausto Freitas, recebe uma comitiva formada por Dom Tomás Balduíno, representante da Comissão Pastoral da Terra (CPT) Flávio Valente, Relator para o Direito Humano à Alimentação, Água e Terra Rural da Plataforma DHESCA, Roberto Leandro, Presidente da Comissão de Justiça e Cidadania da ALEPE, Advogados da Terra de Direitos e do MNDH. A reunião foi marcada para tratar da situação do Engenho São João, em São Lourenço da Mata, zona mata norte de Pernambuco. O objetivo do encontro é tentar evitar o despejo do acampamento Chico Mendes, localizado no Engenho São João, que está na iminência de acontecer pela segunda vez. Hoje pela manhã, esta mesma comitiva fez uma visita ao acampamento para melhor conhecer a realidade do local. O engenho São João, conhecido também como acampamento Chico Mendes, é uma área ocupada a cerca de dois anos e meio por 500 famílias ligadas ao Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST). As famílias de Chico Mendes foram vítimas, no ano passado, de um violento despejo que derrubou todas as casas do acampamento. Na última jornada de lutas do MST, em abril deste ano, a área foi novamente ocupada pelas famílias que voltaram a produzir no local. A produção de Chico Mendes é uma importante referência para os acampamentos da região. No dia em que completou um ano da ocupação do engenho, em 2005, as famílias fizeram um protesto simbólico contra a morosidade do processo da desapropriação da área para fins de Reforma Agrária e distribuíram, na estrada que dá acesso a São Lourenço da Mata, mais de uma tonelada de alimentos produzidos pelo acampamento naquele mês. A área do engenho São João, de 578 hectares, pertence ao Grupo Votorantin, um importante grupo econômico do estado de Pernambuco e que vem se utilizando de vários meios para impedir que a área do engenho seja desapropriada para fins de Reforma Agrária. Há 17 anos, desde que a Usina Tiúma faliu as áreas dos engenhos ligados a esta Usina estão improdutivas.