Comissão Pastoral da Terra Nordeste II

  • 8.jpg
  • 2.jpg
  • 7.jpg
  • 5.jpg
  • 6.jpg
  • 9.jpg
  • 1.jpg
  • 3.jpg
  • 4.jpg
  • 10.jpg
Organizações civis, sindicatos, movimentos sociais do campo e da cidade, indígenas e quilombolas realizarão nesta quarta-feira, 26 de agosto, em Porto Alegre, Estado do Rio Grande do Sul, o seminário "Deserto Verde: Os impactos da monocultura do eucalipto para os povos". A expectativa é da presença de 1 mil participantes de várias regiões do Estado.

Os organizadores ressaltam que o seminário tem por objetivo aprofundar o debate sobre as conseqüências ambientais, econômicas e sociais que a expansão da monocultura das árvores exóticas e a instalação em massa das indústrias papeleiras estão provocando e tendem a se intensificar no Rio Grande do Sul. Dirce Suertegaray, pesquisadora da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), destaca o enorme impacto sócio-ambiental que as monoculturas ocasionam no bioma Pampa. "As exóticas consomem muita água e degradam o solo, afugentando animais e comunidades locais", explica. Os aspectos jurídicos e a cobertura da mídia sobre o assunto também serão discutidos.

Além de estudar o tema, o seminário pretende apontar, em conjunto, alternativas econômicas e ambientais à metade sul do Estado. A monocultura do eucalipto é colocada, hoje, pelos governos como alternativa para o desenvolvimento regional. No entanto, as conseqüências para as populações locais são ignoradas. Indígenas do Espírito Santo e camponeses latino-americanos depõem sobre a degradação da natureza e da organização dos povos provocadas pelo setor. Somente no Rio Grande do Sul, a Aracruz, Votorantim e Stora Enso já compraram, juntas, mais de 200 mil hectares para o plantio de exóticas.

Promovem o seminário a Via Campesina do Rio Grande do Sul, Núcleo de Economia Alternativa (Nea/Ufrgs), Pós-graduação da Geografia/ Ufrgs, Pró-Reitoria de Extensão (Prorext/Ufrgs), Marcha Mundial de Mulheres, CUT-RS, Federação dos Metalúrgicos/RS, Federação dos Sapateiros/RS, Federação dos Trabalhadores em Indústrias de Alimentação/RS, Cpers, Conselho Indigenista Missionário (Cimi/RS), Movimento dos Trabalhadores Desempregados (MTD), Movimento Nacional de Direitos Humanos/RS, Profetas da Ecologia, Terra de Direitos, AGAPAN, CETAP, Diretório Central dos Estudantes (DCE/ Ufrgs), Diretório da Biologia (DAIB/Ufrgs), Grupo de Apoio à Reforma Agrária (GARA/Ufrgs), Centro Acadêmico do Direito do IPA, ATTAC/Poa, Centro de Educação Popular (CAMP), CECA, CEBI/RS, Fian Brasil, Cáritas/RS, ESTEF, Congregação dos Capuchinhos/RS e as pastorais sociais Operária e Afro do RS.

A programação inclui a discussão dos seguintes temas: "Os impactos sócio-econômicos e ambientais do Deserto Verde; "Os aspectos jurídicos e o papel da mídia na expansão do Deserto Verde"; e "Testemunhos dos impactos do deserto verde na vida dos povos".

Fonte:Adital