Comissão Pastoral da Terra Nordeste II

  • 10.jpg
  • 8.jpg
  • 3.jpg
  • 6.jpg
  • 2.jpg
  • 5.jpg
  • 7.jpg
  • 1.jpg
  • 4.jpg
  • 9.jpg

A Comissão Episcopal Pastoral para o Serviço da Caridade da Justiça e da Paz, da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil, (CNBB) emitiu uma nota nesta segunda-feira, 28, por ocasião do Dia Nacional de Combate ao Trabalho Escravo. A nota lembra que, infelizmente, o trabalho escravo ainda é uma realidade em muitas regiões do Brasil e que a Igreja tem se empenhado para erradicar tal prática.

 

Assinada pelo presidente da referida comissão, Dom Guilherme Werlang, a nota também manifesta a solidariedade da Igreja para com todas as vítimas do trabalho escravo, tanto as do campo como as da cidade. Além disso, reitera-se o apelo ao Estado brasileiro para que se comprometa de fato na defesa e proteção das pessoas vitimadas e de todos os que trabalham para combater esta problemática. 

Veja a seguir a íntegra da nota:

 

A Comissão Episcopal Pastoral para o Serviço da Caridade da Justiça e da Paz, da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil, CNBB, manifesta-se por ocasião do Dia Nacional de Combate ao Trabalho Escravo. A memória desta data reporta-nos ao assassinato dos profissionais do Ministério do Trabalho ocorrido no dia 28 de janeiro de 2004, durante uma fiscalização de denúncia sobre trabalho escravo na cidade de Unaí-MG.

 

Infelizmente, o trabalho escravo ainda é uma realidade presente em muitas regiões do Brasil, não só no meio rural, mas também em atividades urbanas. A miséria, a impunidade e a ganância constituem-se em fatores geradores e mantenedores deste crime que violenta a dignidade humana.

 

A Igreja Católica, ao longo dos anos, tem se empenhado para que esta prática seja definitivamente erradicada.  Recordamos o trabalho da Comissão Pastoral da Terra (CPT) e do Mutirão Pastoral de Superação do Trabalho Escravo, aliados aos esforços de outras pastorais e de tantos agentes de pastoral que procuram conscientizar a sociedade e denunciar os casos de trabalho escravo. Reconhecemos, contudo que é um processo difícil e lento. No ano de 2012 foram contabilizados 189 casos, com 2.723 trabalhadores libertados. Frente a esta realidade temos um longo caminho a percorrer até que acabe esta prática abominável. Esperamos que a Campanha da Fraternidade de 2014, que tratará do tema, contribua para maior conscientização, prevenção e denúncia desta atividade ilegal.

 

Somos solidários com todas as vítimas, do campo e da cidade, bem como aos seus familiares. Agradecemos a todas as pessoas e instituições que têm se empenhado no combate ao trabalho escravo. Reiteramos o apelo ao Estado brasileiro para que se comprometa efetivamente na defesa e proteção das pessoas vitimadas e também dos que combatem este mal, e que crie políticas públicas que ataquem os fatores geradores: a miséria e a impunidade.

 

O Documento de Aparecida afirma que a Igreja deve ser a advogada da justiça e a defensora dos pobres, diante das intoleráveis desigualdades sociais e econômicas (DAp 395). Proclamamos o inalienável valor da dignidade humana que transcende a qualquer atividade econômica, pois nela se encontra o Deus vivo, revelado em Jesus. Diante destas vidas fragilizadas testemunhamos a missão de discípulos missionários para que todos tenham vida em abundância.

A Virgem Aparecida, “Mãe do Céu Morena”, nos conduza ao seu Filho Jesus Cristo Libertador.

 

Dom Guilherme Werlang
Presidente da Comissão Episcopal Pastoral para
o serviço da Caridade, da Justiça e da Paz