Comissão Pastoral da Terra Nordeste II

Movimento sindical rural apresenta propostas concretas para melhoria de vida no campo e na cidade no contexto de pandemia e de volta da fome  

O Movimento Sindical Rural de Pernambuco, representado pela Federação de Trabalhadores Rurais Agricultores e Agricultoras Familiares de Pernambuco (Fetape) e seus 174 sindicatos filiados, realizaram hoje (19) o 7º Grito da Terra Pernambuco – 2021 com o tema Agricultura Familiar: Cuida da Terra e Alimenta o Mundo. Devido a pandemia do coronavírus, a mobilização foi realizada em plataforma virtual e transmitida pelas redes sociais. Confira aqui: https://www.youtube.com/watch?v=lwK4U0j1F6M


No último dia 14, a Pauta de Reivindicações do Grito da Terra Pernambuco foi protocolado no Palácio do Governo de Pernambuco. O documento contempla propostas em cinco eixos estratégicos que atendam às necessidades específicas da população rural do estado. A expectativa é que o governador de Pernambuco, Paulo Câmara, possa se posicionar sobre as reivindicações apresentadas no documento no ato virtual, dialogando com os trabalhadores e trabalhadoras rurais.

O 7º Grito da Terra ocorre em um contexto de desafios para agricultura familiar, devido ao impacto econômico, sanitário e social sobre as necessidades básicas da população, devido a pandemia. Os povos do campo enfrentam a escassez de alimento e o avanço da fome, a falta de recursos hídricos, agravada pela estiagem, e de geração de renda.

“O Grito é um instrumento importante para agricultores e agricultoras na luta por políticas públicas e por direitos, que são indispensáveis para apoiar e visibilizar a produção de alimentos da agricultura familiar. Quando temos subsídios para produzir alimentos, beneficiamos diretamente a milhões de pernambucanos e pernambucanas, que dependem da agricultura para se alimentarem de maneira saudável e agroecológica”, avaliou a presidenta da Fetape, Cícera Nunes.

A vacinação para os trabalhadores e trabalhadoras do campo, a defesa do SUS, a garantia de orçamento para o Programa Estadual de Aquisição de Alimentos da Agricultura Familiar (PEAAF) - aprovado pela Assembleia Legislativa de Pernambuco (ALEPE), em 2020 -, a criação da Secretaria Estadual da Agricultura Familiar, o acesso à assistência técnica, à educação do campo, e a estruturação de programas voltados para a convivência com o Semiárido, e a reestruturação socioprodutiva da zona da mata, que sofre com efeitos de uma crise prolongada do setor sucroalcooleiro, são algumas das reivindicações da Pauta.

Campanha de solidariedade – No contexto de aceleração do aumento da fome no Brasil, o Movimento Sindical Rural vai retomar a campanha de doação de alimentos para famílias e situação de vulnerabilidade social em todo o Estado. Os alimentos provenientes da agricultura familiar, setor responsável pela produção de 70% dos alimentos que chegam à mesa da população, serão doados e adquiridos de associações, cooperativas e famílias assessoradas pela Fetape e Sindicatos. Segundo levantamento feito por pesquisadores do grupo “Alimento para Justiça” da Universidade Livre de Berlim, em parceria com a Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) e a Universidade de Brasília (UnB), 59,4% da população enfrentava no final do ano passado algum grau de insegurança alimentar, o equivalente a um total de 125 milhões de pessoas