Comissão Pastoral da Terra Nordeste II

  • 10.jpg
  • 4.jpg
  • 2.jpg
  • 5.jpg
  • 7.jpg
  • 1.jpg
  • 8.jpg
  • 6.jpg
  • 3.jpg
  • 9.jpg

Famílias camponesas do Engenho Batateiras, em Maraial, Mata Sul de Pernambuco, denunciaram que a empresa IC - Consultoria em empreendimentos imobiliários Ltda segue tomando, de forma violenta, terras da comunidade. Desta vez, a ação se deu por meio da soltura de mais de oitenta cabeças de gado em áreas de sítios de agricultores e agricultoras da comunidade. O fato ocorreu na noite dessa quinta-feira (26).  

As famílias alertam que a ação da empresa coloca em risco as suas posses, as fontes de água e as plantações existentes na localidade, as quais estão na iminência de serem destruídas com a invasão do gado. O clima no local é de tensão, e conforme relato de agricultores e agricultoras a medida provocou um sentimento de ameaça generalizada na comunidade.   

Esse é mais um episódio do conflito fundiário instaurado no local. Desde que a empresa chegou à cidade afirmando ser proprietária do Engenho, em julho deste ano, as famílias agricultoras, que já viviam no local há décadas, passaram a relatar a órgãos governamentais graves ameaças e tentativas de expulsões. O caso está sendo acompanhado pelas autoridades, e as famílias estão lutando na justiça pelo reconhecimento de suas posses.  

Com a ação, a Empresa IC - Consultoria em Empreendimentos Imobiliários Ltda descumpre recomendação expedida pelo Ministério Público do Estado, feita no dia 30 de setembro, para “compatibilizar suas atividades na exploração econômica com as atividades agrícolas desenvolvidas pelos agricultores familiares, devendo se abster de praticar quaisquer atos esbulhadores e turbadores das posses dos antigos moradores do Engenho Batateiras”.  

O caso já foi encaminhado para a Secretaria de Justiça e Direitos Humanos e para a Secretaria de Desenvolvimento Agrário do estado. A comunidade, a Comissão Pastoral da Terra (CPT) e a Federação dos trabalhadores Rurais Agricultores e Agricultoras Familiares do Estado de Pernambuco (Fetape), que acompanham o caso, cobram medidas urgentes para resguardar os direitos das famílias de Batateiras.