Comissão Pastoral da Terra Nordeste II

  • 4.jpg
  • 6.jpg
  • 5.jpg
  • 8.jpg
  • 9.jpg
  • 2.jpg
  • 1.jpg
  • 10.jpg
  • 7.jpg
  • 3.jpg

Representantes da comunidade de Fleixeiras, que está sendo atingida pelas obras da Transnordestina, no município de Escada/ PE, realizam mobilização neste momento (12/03, pela manhã) na Prefeitura do Município. O motivo da mobilização é pressionar o prefeito de Escada, Jandelson Golveia, a agilizar o processo de reassentamento das mais de 100 famílias da comunidade que serão impactadas pelas obras da ferrovia.

 

 

De acordo com a decisão do juiz Hélio Sílvio Ourém Campos, da 6ª Vara da Justiça Federal do estado, tomada em 8 de fevereiro, a prefeitura teria um prazo de 60 dias para realocar as famílias atingidas. Entretanto, “falta um mês para o prazo acabar e não vimos até o momento a prefeitura tomar nenhuma medida para solucionar o conflito entre a comunidade e a Transnordestina”, ressaltou uma das moradoras presentes na mobilização.

As 100 famílias que vivem na linha Férrea de Freixeiras enfrentam desde o ano passado o conflito envolvendo a Transnordestina Logísita S/A, que moveu uma ação de reintegração de posse contra os moradores. O juíz federal da 6ª vara, Dr. Helio Silvio Ourem Campos, concedeu liminar à Empresa no início de setembro de 2011, determinando a reintegração de posse e autorizando a demolição das casas, dando um prazo de até o fim de setembro para que as famílias saissem da área.

Só a partir de muitas mobilizações, a comunidade conseguiu que reintegração de posse fosse adiada. Após idas e vindas na Justiça, ficou determinado que a Prefeitura do município de Escada se responsabilizasse por realocar as famílias atingidas, até o próximo dia 8 de abril. Sem ver nenhuma ação concreta, as famílias decidiram mais uma vez ir às ruas para pressionar a prefeitura para garantir o Direito Humano à moradia a toda a comunidade.

Transnordestina – A Transnordestina, ferrovia de 1.728 quilômetros, vai ligar os portos de Suape (PE) e Pecém (CE) ao município de Eliseu Martins (PI). O megaprojeto, que cortará todo o Estado de Pernambuco de leste à oeste, com orçamento inicial de aproximadamente R$ 5,4 bilhões, sendo o Ministério da Integração Nacional responsável pelo financiamento de cerca de 70% da obra. A Ferrovia servirá para potencializar o avanço dos transportes de minérios, produtos do agronegócio e outras matérias-primas para exportação. Por onde passa, a Transnordestina tem comprovado que é uma obra de grandes proporções: tem deixado os rastros de destruição ambiental, famílias despejadas e comunidades inteiras destruídas em nome do “progresso”. As 100 famílias que vivem na linha Ferrea de Freixeiras somam-se a outras centenas de comunidades que já foram ou que serão atingidas pela obra e que são ignoradas pelo Governo e pelo Ministério da Integração Nacional.

 

 

Informações no local:

Andrea Lucia da Silva

Fone: (81) 9677.2451

 

 

Outras informações:

Renata Albuquerque

Comissão Pastoral da Terra

Fone: (81) 9663.2716