Comissão Pastoral da Terra Nordeste II

Apoio internacional da Misereor possibilitou a distribuição de centenas de sacolas com alimentos oriundos das comunidades camponesas para pessoas em vulnerabilidade social nas cidades de Maceió e Rio Largo. 

Iniciado em novembro do ano passado, o Projeto Apoio Emergencial para Geração de renda para famílias camponesas no contexto da pandemia da Covid-19 – realizado pela CPT Nordeste 2 com apoio da Misereor – foi concluído em Alagoas com a entrega de 632 cestas camponesas nos dias 11 e 12 de fevereiro de 2021. Essa última ação finaliza as doações desse projeto no estado contabilizando 1.867 distribuídas. 

A Área Pastoral Nossa Senhora de Fátima, em Rio Largo, recebeu 100 cestas. O Padre Raul organizou a distribuição em seis locais. A organização espírita Nosso Lar recebeu 50 cestas; a Igreja Batista da Grota da Alegria ficou com outras 60 unidades; 40 cestas foram para o terreiro Abassá de Angola Oyá Balé – Casa de Resistência, coordenado pela Mãe Vera; 25 para a Paróquia São Pedro e São Francisco, no Bom Parto; 25 para a comunidade Santa Dulce dos Pobres; e 272 para comunidades acompanhadas pelas Cáritas.

Cada sacola continha abóbora, laranja, abacate, milho, abacaxi, coco, macaxeira, goma, farinha, banana e graviola. Os alimentos vieram das comunidades dos assentamentos Jubileu (São Miguel dos Milagres), Ir. Dorothy (Porto de Pedras), Javari e Margarida Alves (Maragogi), Rio Bonito (Flexeiras), Pe. André (União dos Palmares) e Todos os Santos (Água Branca) e dos acampamentos Mumbuca, Bota Velha e Santa Cruz (Murici).

A camponesa Elsa Maria Da Silva ficou grata pela oportunidade no período difícil. As vendas possibilitaram que a mãe, assentada na comunidade Javari, em Maragogi, atendesse às necessidades dos filhos.  “[O sentimento é] de gratidão, de alegria. Porque foi uma época muito difícil, um ano difícil. E você vê que chegou a oportunidade de comprar uma coisa que você estava querendo para seu filho, para sua família. Então, estou muito grata – agradeço – e estou feliz”, disse.


“Por conta dessa dura realidade, nos primeiros meses da pandemia, as comunidades camponesas articularam e participaram de campanhas solidárias e doaram alimentos nas periferias das cidades. Essas ações são importantes e alimentam a esperança em melhores dias, enfrentando o individualismo e o egoísmo que orientam o atual modelo de sociedade em que vivemos”, aponta o projeto da CPT Nordeste 2.A iniciativa buscou uma forma de ajudar as comunidades empobrecidas do campo e da cidade ao mesmo tempo. Diante da pandemia, as famílias camponesas passam por um momento delicado para o escoamento da produção. Os espaços de comercialização diminuíram ou deixaram de existir. Enquanto isso, as comunidades das periferias, sofrem com o aumento no preço dos alimentos beneficiados e falta de emprego. Com os recursos internacionais da Misereor, alimentos saudáveis foram adquiridos das comunidades camponesas e doados para pessoas em vulnerabilidade social.

Além das comunidades de Alagoas, o projeto também foi executado nos demais estados que fazem parte da CPT Regional Nordeste 2: Paraíba, Pernambuco e Rio Grande do Norte.

Fonte: CPT Alagoas 

Lara Tapety - Ascom CPT/AL

 

 

Lara Tapety - Ascom CPT/AL