Comissão Pastoral da Terra Nordeste II

  • 6.jpg
  • 9.jpg
  • 5.jpg
  • 3.jpg
  • 7.jpg
  • 10.jpg
  • 8.jpg
  • 2.jpg
  • 4.jpg
  • 1.jpg

Os movimentos sociais do campo em defesa da Reforma Agrária do estado de Alagoas vem a público lamentar e repudiar a ação violenta do Estado brasileiro através da ação do Batalhão de Operações Especiais - Bope, que atirou contra os trabalhadores e trabalhadoras na manhã do dia 17 de agosto, no trevo de acesso ao pólo industrial de Marechal Deodoro. A ida dos trabalhadores tinha como objetivo, denunciar a paralisação da Reforma Agrária, o baixo orçamento investido nas políticas agrárias e o sucateamento dos órgãos responsáveis por sua realização, que prejudicam 10 mil famílias acampadas e as 15 mil assentadas no estado.

 

 

O combinado com assessores da presidência era que os manifestantes ficariam a 300m de distância da presidenta e de seus convidados; chegando ao trevo que dá acesso ao pólo, cerca de 10 km de distância do local do evento, os trabalhadores foram abordados pela Polícia Militar de Alagoas, que impediu o acesso ao local definido pela assessoria da Presidência; o governo do estado diz que a ordem de não permitir o acesso veio da Presidência da República, a Presidência, por sua vez, acusa que a ordem partiu do governo do estado de Alagoas.

 

 

NOTA DE REPÚDIO

 

Os movimentos sociais do campo em defesa da Reforma Agrária do estado de Alagoas vem a público lamentar e repudiar a ação violenta do Estado brasileiro através da ação do Batalhão de Operações Especiais - Bope, que atirou contra os trabalhadores e trabalhadoras na manhã de hoje, 17 de agosto, no trevo de acesso ao pólo industrial de Marechal Deodoro.

 

A ida dos trabalhadores tinha como objetivo, denunciar a paralisação da Reforma Agrária, o baixo orçamento investido nas políticas agrárias e o sucateamento dos órgãos responsáveis por sua realização, que prejudicam 10 mil famílias acampadas e as 15 mil assentadas no estado. 

Dos esclarecimentos: 


• No dia 16 de agosto, atendendo solicitação da presidenta da CUT Amélia Fernandes, as coordenações dos movimentos do campo, reuniram-se com os assessores da presidência da república, entre eles José Claudenor Vermohlen (Zeca), para discutir à respeito da participação durante a visita da presidenta Dilma para a inauguração da fábrica da Brasken, em Marechal Deodoro; 

 

• Fomos informados que os manifestantes ficariam à 300m de distância da presidenta e de seus convidados; 

 

• Chegando ao trevo que dá acesso ao pólo, cerca de 10 km de distância do local do evento, fomos abordados pela Polícia Militar de Alagoas, que impediu o acesso ao local definido pela assessoria da presidência; 

 

• Entrando em contato com o assessor da presidência, José Claudenor Vermohlen, informamos que fomos impedidos de chegar ao local pelo aparato policial, e o mesmo nos informou que a ordem do bloqueio partiu do Governo do Estado de Alagoas. Em contato telefônico com secretário do gabinete civil, Álvaro Machado, alegou-se que a ordem de não permitir o acesso veio da Presidência da República; 

 

• A interdição da rodovia, era simplesmente para garantir o acesso ao local e a entrega da pauta de reivindicação dos movimentos do campo;

 

• Ainda em processo de negociação, chega o Bope disparando balas de borrachas e bombas de efeito moral, numa verdadeira ação de guerra contra cerca de 250 trabalhadores, incluindo crianças, idosos e uma gestante. 

 

Não havendo respostas para a paralisação da Reforma Agrária, o governo Dilma continua dando sequência a sua política de negligência e descaso com as reivindicações dos movimentos sociais, abrindo mão do diálogo e adotando práticas e medidas violentas para com os trabalhadores e trabalhadoras do campo. 

 


CPT, MLST, MST, MTL 

17 de agosto de 2012