Comissão Pastoral da Terra Nordeste II

  • 1.jpg
  • 5.jpg
  • 8.jpg
  • 10.jpg
  • 3.jpg
  • 6.jpg
  • 7.jpg
  • 4.jpg
  • 9.jpg
  • 2.jpg
O caso Renan Calheiros, presidente do Senado, presente na mídia nestes dias parece se complicar por não conseguir dar explicações sobre seus negócios.

A família é de políticos. Seu irmão Olavo é deputado federal, Remi, outro irmão foi prefeito de Murici, AL, e o atual prefeito do município é seu filho Renanzinho. No município são soberanos pelo que se depreende do que aconteceu em fevereiro de 2006 em relação a um grupo de sem terra que havia ocupado uma área próxima à fazenda de Olavo.

Conflitos no Campo Brasil – 2006, publicação anual da Comissão Pastoral da Terra, registrou a notícia da agressão que os sem-terra sofreram com intervenção direta do deputado e funcionários da prefeitura, no texto da página 154, com o título Políticos destroem acampamento e agridem sem terra.

Abaixo o texto:

Alagoas

Políticos destroem acampamento e agridem sem-terra

Em fevereiro de 2006, 29 famílias, ligadas ao Movimento Terra Trabalho e Liberdade, MTL, despejadas de outras áreas, ocuparam 572 hectares da Fazenda São Bernardo, em Murici, AL. Dois dias depois, no dia 08/02/2006, foram surpreendidas, por volta da uma hora da madrugada, por 80 pistoleiros fortemente armados, comandados pelo ex-prefeito de Murici, Remi Calheiros [1]

O cerco ao acampamento começou por volta das 22h, quando Ailton José da Silva e um adolescente foram presos por vigilantes da fazenda Boa Vista, de propriedade do deputado federal Olavo Calheiros. Os agressores chegaram ao acampamento, bêbados e encapuzados, atirando. Jogaram gasolina nos barracos e atearam fogo. Muitos trabalhadores fugiram para o mato.

Os sem-terra foram obrigados a arrancar a bandeira do movimento e jogá-la ao fogo. A seguir, 23 sem-terra foram levados para a casa-grande da fazenda Boa Vista, do deputado Olavo Calheiros onde ficaram detidos por várias horas. No grupo, duas mulheres, uma delas grávida que passou muito mal com o susto. Um dos capangas jogou a filha dela, de um ano e dois meses, no chão. A outra foi ameaçada de estupro, o que não aconteceu pela intervenção de Remi. “Ele me reconheceu porque meu irmão é motorista dele", disse ela.

Um dos agressores foi chamado de tenente e outros usavam coturnos da polícia. Outro foi reconhecido, como Beto Doido, funcionário da Prefeitura Municipal de Murici, cujo prefeito é Renanzinho, filho do senador Renan Calheiros.

Segundo algumas das vítimas, o deputado federal Olavo Calheiros estava no local das agressões e chegou a buzinar com seu carro para os dois primeiros trabalhadores que foram retidos pelos vigilantes da fazenda Boa Vista.

No dia 16/02/2006, cerca de 200 trabalhadores, bloquearam a BR-104 próximo à entrada da cidade de Murici, no local do acesso ao acampamento invadido pelos 80 pistoleiros. Protestaram contra o atentado e reivindicaram que os crimes fossem apurados por um delegado especialmente designado para o assunto, pois a polícia de Murici não merece confiança por ser envolvida com a família Calheiros.

[1] Remi e Olavo Calheiros são irmãos do presidente do Senado, Renan Calheiros