Comissão Pastoral da Terra Nordeste II

  • 7.jpg
  • 2.jpg
  • 8.jpg
  • 5.jpg
  • 4.jpg
  • 3.jpg
  • 1.jpg
  • 6.jpg
  • 10.jpg
  • 9.jpg

Neste ano de 2022, o Movimento dos Pequenos Agricultores (MPA) completa 26 anos. Nascido em 1996, o Movimento surge durante o Acampamento da Seca, mobilização de agricultores e agricultoras para reivindicar políticas públicas que atendessem os trabalhadores do campo durante uma seca que castigou as plantações no final de 1995 e início de 1996, no Rio Grande do Sul. Desde então, o MPA tem atuado em defesa dos direitos dos camponeses brasileiros e na  construção de um projeto popular para o Brasil, baseado na soberania e nos valores de uma sociedade justa e fraterna. 

Josineide Costa, dirigente do Movimento, participa do Entrevista Central desta quarta-feira(19) e resgata a história do MPA. Ela também analisa o cenário político atual e evidencia o protagonismo dos trabalhadores do campo na resistência contra os ataques do governo de Jair Bolsonaro (PL).

"Nós temos na nossa essência camponesa a luta de enfrentamento. Nós lutamos contra o agronegócio e contra as políticas neoliberais. Precisamos de condições de vida digna no campo. Somos uma parte importante da sociedade que precisa ser valorizada", afirma.

A dirigente também aponta o papel dos camponeses na luta contra a fome no Brasil e avalia que" só conseguiremos sair do mapa da fome quando o governo defender e investir na soberania alimentar da população ". Com o período eleitoral se aproximando, Costa aponta um cenário de esperança que, na sua avaliação, só será viável através da luta popular.

"A nossa maior ferramenta nesse período tem sido anunciar a esperança. Esse esperançar é produzir alimento, cuidar da saúde do nosso povo, plantar de forma agroecológica, construir poder popular. Dias melhores só serão possíveis se a gente construir".

E tem mais!

Uma pesquisa realizada pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), revelou a dificuldade de inserção profissional das mulheres após a chegada da pandemia. Enquanto os homens integram 73,7% da força de trabalho no país, apenas 54,5% das mulheres trabalhavam  em 2019. Após a crise sanitária, esta disparidade só aumentou e afeta, principalmente, as mulheres negras e mais pobres. O quadro Trilhos do Brasil analisa como a desigualdade de gênero afeta as questões trabalhistas no Rio de Janeiro.

No Embarque Imediato, o destaque é a campanha de reconstrução do Terreiro das Salinas, em São José da Coroa Grande, no Litoral Sul de Pernambuco. O espaço foi destruído por incêndio no sábado de ano-novo (1).

Parada Cultural indica a música "Os Reis do Agronegócio", do artista paraibano Chico César em parceria com Carlos Rennó. A canção denuncia a violência do agronegócio contra o meio ambiente, indígenas e quilombolas e sua absoluta negligência com as questões climáticas no mundo. 


Sintonize

Para acompanhar o Central do Brasil, basta sintonizar a TVT em uma antena digital, interna ou externa. Na grande São Paulo, o canal é o 44.1 (sinal digital HD aberto); na NET o canal é o 512 (NET HD-ABC); no UHF, a sintonia é 46; 13 na NET-Mogi; e Canal 12 na Vivo São Caetano do Sul.

A sintonia da Rádio Brasil Atual é 98,9 FM na Grande São Paulo. Também é possível acompanhar a programação radiofônica pelo site do Brasil de Fato.

Quem está fora de São Paulo, pode sintonizar a TVT com a parabólica, via satélite. É necessário direcionar a antena para StarOne C3 Freq: 3973 Mhz Pol: Vertical, DVB-s2; SR: 5000 FEC ¾. Confira mais informações neste link.

Dados da menor estação receptora

Antena: Embrasat modelo RTM 2200Std
Focal-Point
Diâmetro 2,2m
Ganho de recepção no centro do Feixe (Dbi) 37,5
G/T da estação (dB/K) 18,4

Edição: Raquel Setz