Comissão Pastoral da Terra Nordeste II

  • 8.jpg
  • 4.jpg
  • 2.jpg
  • 9.jpg
  • 1.jpg
  • 7.jpg
  • 6.jpg
  • 5.jpg
  • 10.jpg
  • 3.jpg

 O Brasil está doente e os povos indígenas são a cura deste país! Há 521 anos esta terra é marcada por violações, pelo racismo e genocídio. São séculos de tentativas de subjugação de povos, de culturas e de territórios. Hoje, quando não são apenas armas dilacerando corpos, canetas assinam leis de extermínio. Quando não são apenas criminosos atacando diretamente, governos se omitem do seu dever de proteção.

 

E por mais que as lutas se sobreponham, não permitiremos! Somos os primeiros desta terra, antes de o Brasil ser Brasil. Contra projetos de lei que violam a própria constituição, seguiremos mobilizados na capital federal soando nossos maracás e entoando nossos cânticos, entre os dias 22 e 28 de agosto.

Fazemos esse chamado, ainda durante a pandemia, porque não podemos calar diante de um genocídio e um ecocído, que a Terra grita mesmo quando estamos em silêncio. Que o país ouça seus povos originários. Nossas vidas estão vinculadas à terra, pois com ela vivemos em comunhão. Somos os guardiões da floresta e de todas as formas de vida que nela habitam. Frente a um Congresso que avança em uma agenda anti-indígena e contra o Marco Temporal, previsto para ser votado no STF dia 25 de agosto resistiremos! Vamos à Brasília vacinados, com todas as precauções de higiene contra a Covid-19, tocar nossos maracás para garantir os direitos dos povos indígenas.

Venham parentes para o acampamento LUTA PELA VIDA. Chegada dia 22 e saída dia 28 de agosto.

Fonte: CPT Nacional