Comissão Pastoral da Terra Nordeste II

  • 7.jpg
  • 3.jpg
  • 9.jpg
  • 4.jpg
  • 2.jpg
  • 5.jpg
  • 10.jpg
  • 6.jpg
  • 1.jpg
  • 8.jpg

Mais de 1000 trabalhadoras e trabalhadores de diversos municípios cearenses ocuparam a sede nacional do Departamento Nacional de Obras contra a Seca (DNOCS), em Fortaleza, nesta terça-feira (23/8).

Os movimentos exigem a proibição da pulverização aérea de agrotóxicos na Chapada do Apodi, na divisa do Ceará com o Rio Grande do Norte.

Alé disso, cobram políticas de acesso á água e rejeitam a construção de barragens. A luta também é pela redução das tarifas de energia, água e gás.

A mobilização na sede do Dnocs, que que fica na Avenida Duque de Caxias, vai permanecer por tempo indeterminado.

A sede da Caixa Econômica Federal, em Fortaleza, também foi ocupada 800 trabalhadores da Assembléia Popular.

A mobilização faz parte da Jornada Nacional de Lutas, que acontece em todo o Paí para cobrar um plano emergencial do governo federal para o assentamento das 60 mil famílias acampadas até o final deste ano. Em Brasília, mais de 4.000 camponeses estão acampados.

De acordo com a coordenação da Via Campesina  existem famílias acampadas há mais de cinco anos, vivendo em situação difícil. No Ceará são mais de 3.000 mil famílias acampadas

Os movimentos exigem  dos governos estadual e federal um plano de metas de assentamentos em áreas desapropriadas até 2014 para 100 mil famílias por ano.

A pauta da jornada é nacional, mas existem pontos específicos da região Nordeste como, a construção de escolas em assentamentos e reassentamentos, infraestrutura para as famílias, projetos de irrigação para a produção nas áreas rurais.

Da Página do MST