Comissão Pastoral da Terra Nordeste II

Mais uma demonstração da violência com a qual a empresa Agropecuária Mata Sul S/A vem tratando as famílias camponesas no município de Jaqueira (PE) pôde ser vista durante essa última sexta-feira, 22/05. Durante a manhã, na comunidade Barro Branco, os agricultores e agricultoras foram surpreendidos com a presença de seguranças privados da empresa, armados e com cachorros rotweiller. A Polícia Militar também estava junto aos seguranças privados, os quais acompanhavam serviço de instalação de uma cerca junto à estrada que corta o Engenho.

Segundo informações repassadas à CPT, agricultores que estavam no local foram ameaçados pelos seguranças, os quais mencionaram possuir ordens para soltar os cachorros, e caso houvesse alguma vítima de ataque justificariam dizendo “que foram os agricultores que partiram pra cima”. No vídeo enviado à CPT, é possível perceber o clima de tensão no local. As famílias ficaram revoltadas com o aparato providenciado pela empresa para amedronta-las e intimidá-las. “Esta é a quarentena da empresa. Aqui não tem bandido para eles virem desse jeito”, afirmou um dos agricultores.

Já no período da tarde, agricultores da comunidade relataram à Pastoral que uma equipe de segurança da empresa realizou rondas na comunidade e também que avistaram drones filmando os quintais de todas as casas e o arruado do Engenho.

Toda a violência se deu porque a comunidade questionou o local onde seria instalada a cerca, uma vez que, mesmo em área privada, impactaria a via pública. Além disso, o local pretendido para a instalação margeia uma curva, o que a deixaria a estrada ainda mais estreita e propícia a gerar acidentes, inclusive faltais, como já registrado anteriormente no mesmo local. A associação de Moradores Agricultores do Sítio Grande e Barro Branco já solicitou à prefeitura do município de Jaqueira que adote as providências cabíveis, com a maior brevidade possível.