Comissão Pastoral da Terra Nordeste II

Na manhã da última quarta-feira, 06/03, uma comissão de agricultores participou de uma reunião virtual com o Bispo da Diocese de Palmares, Dom Henrique Soares da Costa, para tratar sobre o grave conflito fundiário envolvendo a empresa Agropecuária Mata Sul S/A que está impactando a vida de ao todo 1.200 famílias de diversas comunidades camponesas localizadas no município de Jaqueira, Pernambuco. Além dos camponeses, também participaram da reunião com o Bispo representantes da Comissão Pastoral da Terra (CPT), da FETAPE e da FETRAF, que também apoiam as famílias.

 Na ocasião, os agricultores narraram ao Bispo que há mais de dois anos vivem em situação de violência e tensão e clamaram pelo apoio da Igreja para que o conflito cesse imediatamente. “Estamos pedindo clemência. Nossas crianças ficam em tempo de morrer com essa situação. Hoje em dia, acordamos e abrimos as portas de nossas casas com medo. Nascemos naquelas terras, ajudamos a construir aquele lugar, é lá que temos que viver”, ressaltou um dos trabalhadores rurais presentes na ocasião.

 Dom Henrique, após ouvir os trabalhadores e as organizações presentes, expressou sua solidariedade às famílias e mostrou preocupação com o acirramento da violência, colocando-se à disposição para contribuir pela resolução imediata e definitiva do conflito e apoiar às famílias na busca por justiça e para que tenham resguardado o direito a permanecerem na terra em que vivem há décadas.

 Entenda o conflito: Sobre o conflito: O conflito fundiário envolvendo ao todo mais de 1.200 famílias de várias comunidades rurais do município de Jaqueira e a empresa Agropecuária Mata Sul S/A representa bem a história da Zona da Mata de Pernambuco. Nas últimas décadas, viu-se no estado uma onda de decadência e de fechamento de muitas usinas de cana-de-açúcar, processo no qual se insere a antiga Usina Frei Caneca, desativada há mais de dez anos e detentora de débitos fiscais milionários com o estado de Pernambuco. Como estratégia para manter o controle das terras, a Usina passou a arrendá-las para terceiros. Desde 2017, por meio de contrato de cessão de arrendamento, parte de suas terras estão nas mãos da empresa Agropecuária Mata Sul S/A.

Esta nova empresa, contudo, não trabalha no ramo da cana-de-açúcar. Atua na atividade pecuária. São cerca de 5.000 hectares localizados no município de Jaqueira que estão arrendados para a empresa, o que representa cerca de 60% de todo o município. Desde que chegou ao local, a empresa passou a ameaçar as famílias que vivem nessas comunidades. Os camponeses e camponesas relatam situações de intimidações, destruições e queimadas de lavouras, destruição e contaminação de fontes d'água, ameaças, perseguições, pulverização área de agrotóxicos e esbulho de suas posses.

O conflito na região já foi denunciado ao Ministério Público Estadual, ao Incra, à Secretaria de Desenvolvimento Agrário, à Secretaria de Justiça e Direitos Humanos, à Prefeitura Municipal de Jaqueira, ao Governador Paulo Câmara, à Câmara de Vereadores e Vereadoras do município, à Diocese de Palmares e a Deputados e Deputadas Estaduais. O poder judiciário também foi alertado acerca das atitudes truculentas e ilegais da empresa.

 

CPT NE2