Comissão Pastoral da Terra Nordeste II

  • 4.jpg
  • 9.jpg
  • 2.jpg
  • 3.jpg
  • 7.jpg
  • 1.jpg
  • 6.jpg
  • 5.jpg
  • 10.jpg
  • 8.jpg

"Atualmente o Governo Bolsonaro, em mais um ataque à educação pública, tenta desmembrar onze Institutos Federais, querendo consolidar aquilo que seus ministros apresentam em suas falas: 'educação para poucos'. A divisão dos Institutos, sendo a maior deles localizada na região Nordeste, relaciona-se à arbitrária indicação de reitores pelo presidente da República. Diante disso, a CPT repudia todos os ataques que vem sofrendo a educação brasileira e, de modo especial, os Institutos Federais. A CPT também reafirma a urgência e a necessidade da ampliação e da criação de novos campi para os povos da terra, das águas e das florestas". Confira o documento na íntegra:

Nota de Repúdio aos ataques do governo aos Institutos Federais e à educação brasileira

No Brasil, a luta por uma educação pública, gratuita e de qualidade para os povos do campo e da cidade não é de agora. Ao longo de décadas, organizações e movimentos sociais do campo levantaram a bandeira da educação em conjunto com a luta pela Reforma Agrária e pelo reconhecimento de territórios tradicionais como caminho para a justiça social e o fortalecimento dos espaços democráticos, ainda mais em tempos de perseguição, violência e privação de direitos.

Os povos da terra, das águas e das florestas foram historicamente perseguidos por estereótipos que lhes classificaram como inferiores e atrasados. O sistema educacional brasileiro, por muito tempo, foi um dos responsáveis por reproduzir essa lógica perversa contra as populações do campo. Nesse contexto, criar ou ampliar o acesso desses povos aos espaços formais de ensino e educação são lutas por meio das quais se busca o respeito à existência e o fortalecimento dos saberes e conhecimentos dessas populações. Os Institutos Federais fazem parte desse cenário.

Componente da rede de Educação Profissional pública, estabelecida em 2008 pela Lei no. 11.892, os Institutos Federais se constituem como um espaço fundamental para a ampliação do ensino, pesquisa e extensão no país, oportunizando maior democratização e construção do saber. Atualmente o Governo Bolsonaro, em mais um ataque à educação pública, tenta desmembrar onze Institutos Federais, querendo consolidar aquilo que seus ministros apresentam em suas falas: “educação para poucos”. A divisão dos Institutos, sendo a maior deles localizada na região Nordeste, relaciona-se à arbitrária indicação de reitores pelo presidente da República.

Diante disso, a CPT repudia todos os ataques que vem sofrendo a educação brasileira e, de modo especial, os Institutos Federais. A CPT também reafirma a urgência e a necessidade da ampliação e da criação de novos campi para os povos da terra, das águas e das florestas, como um dos meios para garantir a esses povos ainda mais acesso à educação pública, gratuita, de qualidade e que valorize seus saberes.

Goiânia (GO), 09 de setembro de 2021.

Coordenação Executiva Nacional da CPT