Comissão Pastoral da Terra Nordeste II

Pelo segundo dia consecutivo, cortadores de cana que trabalham para a Paisa (Penedo Agroindústria S.A.) bloquearam a pista, desta vez nas imediações do acesso à usina, em protesto contra supostas irregularidades no cumprimento de direitos trabalhistas. Os trabalhadores afirmam que não recebem FGTS (Fundo de Garantia por Tempo de Serviço) há 2 anos e não também não tem direito ao seguro desemprego porque estão com a ‘ficha fria’, como definem a relação contratual entre os cortadores de cana e a empresa que pertence ao Grupo Toledo.

 

A primeira manifestação dos cortadores de cana foi realizada nesta quarta-feira, 16, quando cerca de mil trabalhadores bloquearam a entrada para a garagem da Paisa, impedindo principalmente a saída dos ônibus que levam os homens aos canaviais. O protesto iniciado na madrugada foi encerrado por volta das 16h30, com a promessa de atendimento individual dos cortadores de cana para o exigido acerto de contas entre cada trabalhador e a empresa, conforme acordo mediado por representantes do Sindicato dos Trabalhadores Rurais de Penedo e da Federação dos Trabalhadores da Agricultura de Alagoas.
Ao chegar na usina para trabalhar nesta quinta, os cortadores de cana disseram que foram surpreendidos com a ordem de irem para o campo, com a combinada negociação individualizada adiada para o final do turno de trabalho. Os cortadores de cana não aceitaram a quebra do compromisso e por isso bloquearam a pista de acesso à Paisa, com a determinação de não deixar sair nenhum carro de dentro da empresa e à espera de representantes do Ministério Público do Trabalho para retomar a negociação.

Fonte: Alagoas 24 horas