Comissão Pastoral da Terra Nordeste II

Nesta sexta-feira, dia 27, sai de Caetés, no Agreste de Pernambuco, a Caravana Semiárido Contra a Fome, que irá percorrer mais de 4 mil quilômetros pelo País. A iniciativa denuncia o crescimento dos números que indicam um aumento da extrema pobreza no Brasil, além da ameaça do País voltar a compor o Mapa da Fome da Organização das Nações Unidas para Alimentação e Agricultura (FAO), do qual já não fazia parte desde o ano de 2014.


Nesse cenário, a Articulação Semiárido Brasileiro (ASA) e outras organizações, redes e movimentos sociais do campo popular e democrático estão articuladas na construção da Caravana, que terá paradas nas cidades de Feira de Santana (BA), Belo Horizonte (MG), Guararema (SP), Curitiba (PR), chegando dia 05 de agosto até o destino final que é Brasília (DF). A proposta é denunciar ao Supremo Tribunal Federal (STF) a situação de fome que atinge o país em especial população do Semiárido brasileiro. 

“O Semiárido rural não é mais o mesmo de 15 anos atrás, porque aconteceram mudanças importantes. No entanto, vivemos atualmente sob o impacto de cortes nos programas sociais. A política economia do atual governo tem reverberado na situação de pobreza, mesmo que a gente tenha tido transformações. Esses elementos deixam a preocupação do aumento do empobrecimento das pessoas”, explica Alexandre Pires, da coordenação da ASA, sobre as motivas ações da Caravana. 

A FETAPE integra a ASA e está envolvida na construção da iniciativa. Paulo Roberto Santos, presidente da Federação, explica que a motivação de construir a proposta surge também porque já é visível o aumento da situação de pobreza. “Várias famílias estão em situação de vulnerabilidade, de insegurança alimentar. Percebemos já muitas pessoas que estão pedindo comida. Então, a Caravana é uma iniciativa que defende o projeto político que acreditamos para o Brasil”, afirma.

O ato desta sexta-feira, em Caetés, terá início às 16h, e contará com a participação de pessoas de vários estados do Nordeste, que se juntarão as de Pernambuco. A expectativa é de que três mil pessoas irão participar do ato político, e dois ônibus seguirão em caravana no início da noite. Uesdilane Santana integra a diretoria do Sindicato de Trabalhadores/as Rurais de Caetés e está na organização do ato. “Será um ato bonito e muito importante. Estamos mobilizando a zona rural de Caetés e dos municípios vizinhos da região”, explica. 

Para Cícera Nunes, Diretora de Finanças e Administração da FETAPE, a Caravana é a demonstração da articulação da sociedade civil. “Nós, da ASA, estamos fazendo várias mobilizações em nível regional, mas também de Brasil, para pressionar os governos em relação a essa situação. A Caravana tem o sentido de estar do lado de quem precisa, e também significa a defesa de um dos maiores líderes desse país, que é Lula, e que está preso injustamente. E Lula muito contribuiu para a diminuição da fome no Brasil, segundo a própria ONU”, diz.

A Caravana Semiárido Contra a Fome também está com uma campanha de doações no ar, que tem como meta arrecadar R$ 150 mil para despesas com logística, hospedagem e alimentação para todos/as os/as participantes. O valor é equivalente aos custos de 90 pessoas, entre agricultores e agricultoras, lideranças, técnicos e jornalistas, durante os 14 dias da caravana, em média. Qualquer pessoa pode doar através do endereço: https://benfeitoria.com/caravanasemiaridocontrafome.

 

Fonte: FETAPE